Um pouco de nossa história

No município, a vocação para a fabricação de calçados remonta aos anos de 1.930, sendo que tudo começou com a fabricação artesanal da famosa “botina roceira”, ou seja, um calçado voltado exclusivamente para o homem do campo. As fábricas de hoje, surgiram da ampliação do sapateiro-remendão, profissão verdadeiramente artesanal. JOÃO GONÇALVES, BATISTA, CRISPIM, LOURENÇO, HENRIQUE ZÁCARO E GIGLIOTTI são nomes que ficaram gravados na memória dos guaxupeanos, graças a atuação na área de concerto de sapatos.
Na arte do ofício, alguns trabalhavam por conta dos consertos, fabricavam calçados em pequena escala. As primeiras fábricas de calçados, certamente, ainda estão presentes na memória de muitos, pois, sem dúvida alguma contribuíram para o crescimento e para o progresso de nossa cidade.
A indústria de calçados teve seu auge na década situada entre 1.970 e 1.980, época que o município chegou a abrigar quase duas centenas de fábricas que se dedicavam à produção, principalmente, de botinas.
Os constantes desacertos ocorridos na área econômica, bem como, as primeiras conseqüências da globalização, atingiram o setor de forma maléfica a exemplo do que ocorreu com outros segmentos e assim muitas fábricas deixaram de exercer suas atividades.
A ASSOCIG, fundada em 07 de outubro de 2004, fruto da união entre pequenos empresários, surgiu da necessidade de preservar os empregos já existentes, criar novos postos de trabalho e também facilitar a superação dos obstáculos que possam impedir o crescimento da atividade calçadista.
O município abriga hoje, um número expressivo de empresas que se dedicam a fabricação de calçados cujos produtos são distribuídos praticamente em todo território nacional. Com uma produção bastante diversificada (botinas, botas, coturnos, abotinados, sapatos, sandálias, botas e sapatos de segurança, etc) nossos produtos são encontrados nos pés de milhares, (ou milhões) de brasileiros, graças ao heroísmo daqueles que superaram com coragem e galhardia os constantes desacertos de nossos governos, cujo desafio ainda persiste diante de uma economia globalizada.
Unir para vencer e servir cada vez melhor serão nosso lema, trabalhar em prol de uma sociedade mais justa será nossa contribuição aos nossos futuros jovens. Registramos aqui, nosso reconhecimento e agradecimento à todos àqueles que em algum momento da história guaxupeana, foram ou serviram de motivo para nossa inspiração.

image.jpg
  • Dia do Sapateiro- A nossa homenagem.

    O ofício de sapateiro é muito antigo e de início era discriminado, comparado ao ofício de curtidores e carniceiros. O cristianismo fez com que essa situação se revertesse com o surgimento de três santos sapateiros: Aniano, sucessor de São Marcos como arcebispo de Alexandria (século I), e os irmãos Crispim e Crispiniano, martirizados em Saisson sob Domiciano. O primeiro sapato - O primeiro calçado foi registrado na história do Egito, por volta de 2000 a 3000 A.C.. Trata-se de uma sandália, composta por duas partes, uma base, formada por tranças de cordas de raízes como, cânhamo ou capim, e uma alça presa aos lados, passando sobre o peito do pé.

  • 25 de Outubro - Dia de São Crispim

    São Crispim era italiano, descendente de uma nobre família romana, mas apesar dessa descendência, trabalhava como humilde operário ao lado de seu irmão São Crispiniano. Ambos foram para Soissons na França, onde pregavam o evangelho com tal ardor, que eram conhecidos como apóstolos no norte daquele país. Para não sobrecarregar os fiéis com despesas de alimentação, trabalhavam nas horas vagas como sapateiros. Eram verdadeiros artesãos. O Costume de se colocar os sapatinhos das crianças na chaminé em véspera de natal começou depois de um possível milagre realizado por estes dois santos.